Reforma Administrativa, tímida ou modernizadora?

A Reforma Administrativa, proposta pelo governo Bolsonaro avança em alguns pontos mas mantém privilégios de algumas castas de servidores como militares, magistrados, promotores, parlamentares.

Nesta entrevista com o advogado André Portugal, mestre em Direito Constitucional pela Universidade de Coimbra, ele mostra os avanços da proposta e o que poderia ser aperfeiçoado.

4 thoughts on “Reforma Administrativa, tímida ou modernizadora?

  • 10/09/2020, 11:01 em 11:01
    Permalink

    Olá Paçoca! Essa “reforma” não é tímida, não! Ela representa o desmonte do serviço público. Quando você sofre um acidente, quem te socorre é o bombeiro, que é servidor atingido pela reforma. Quem te leva pro hospital é um motorista, também servidor. Quem te opera é uma equipe de servidores (médicos, enfermeiros, auxiliares). Quem te protege é um policial militar, civil e federal servidor. Quem educa seu filho é um professor servidor. Quem varre as ruas em que você anda é um gari servidor. Quando você entra na justiça, quem processa o seu feito é um servidor, muitas vezes, ele até sentencia no lugar do juiz e você nem sabe disso, porque o juiz tem de 3 a 4 assessores só pra redigir sentença pra ele. A maioria dos servidores ganha entre 2 a 4 mil, servidor quando erra, não é aposentado. É demitido! Já existem alternativas previstas em lei para os maus servidores. Todo ano, centenas são demitidos por errarem. A estabilidade impede que os políticos pilantras encham o serviço público de “guardiões”, aspones, comissionados e assessores pra assuntos alheios ao interesse público. Se o servidor público erra, ele é demitido. Os guardiões e aspones comissionados não” E estes ganham muito mais do que os servidores concursados. O servidor concursado não racha salário com político.

    Resposta
    • 10/09/2020, 14:12 em 14:12
      Permalink

      Faço minhas as palavras da servidora pública, porque sou servidora pública aposentada. A população necessita do serviço público, que tem qualidade sim. Eu fui durante décadas usuária do SUS, nada a reclamar. Infelizmente, a mídia contribui para demonizar o servidor público. Evidente, que como na iniciativa privada tem maus servidores, mas existe legislação para punir e exonerar. O que é desonesto, é essa demonização mentirosa, manipuladora e injusta. Cabe a população defender o Estado, o serviço público. É o mínimo que se espera desse usuário da escola pública, da universidade pública, do hospital universitário, do núcleo de prática jurídica, do centro odontológico, da clínica psicológica, da clínica psicopedagógica, do núcleo de prática esportiva, das clínicas de fisioterapia, UBS, do policial militar, do policial civil, da justiça gratuita. É absurdo e ofensivo e desumano o que a mídia, os políticos, o canalha do Paulo Guedes, esse fraudador dos fundos de pensão, indivíduo, portanto, sem moral, Rodrigo Maia, o Botafogo da JBS, que está livre, quando deveria estar preso por corrupção. Acabar com a estabilidade do servidor público, é abrir as portas para a corrupção entrar definitivamente pelas mãos sujas dos políticos brasileiros, salvo as exceções. Será uma ruptura nefasta.

      Resposta
  • 10/09/2020, 11:14 em 11:14
    Permalink

    Militares, magistrados, promotores, parlamentares… Pelo menos nos parlamentares todo mundo desce o cacete. Mas nos outros três… na maioria absoluta das vezes silêncio total. Por exemplo o novo Moro do RJ que decidiu perseguir advogados. Deve haver magistrados que detestam advogados de defesa dos mas tratam se a menor parcimônia promotores e procuradores. Mas muitos trouxas batem palmas para esses magistrados. O blog se refere a quatro grupos que “merecem” tratamento especialíssimo. Mas o ministro Paulo Guedes deve incluir um quinto grupo de gente seleta. Ontem o ministro (que os neoliberais colocam num pedestal) disse que o salário de R$ 39 mil no alto escalão do serviço público é muito baixo. Pode isso, Paçoca?

    Resposta
  • 10/09/2020, 11:32 em 11:32
    Permalink

    Posso responder? Um trambique daqueles bem sacanas. De deixar até o trambiqueiro com medo. Viva a República (?) do trambique!

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: