Infidelidade partidária à solta

Mais de 100 dos 513 parlamentares mudaram de legenda na “janela da traição” que terminou nesta sexta-feira. O número que pode crescer ainda mais já que os partidos não são obrigados a informar as trocas imediatamente nem à Câmara nem à Justiça Eleitoral.

Leia Também

E aí? Tá disposto a cair num golpe hoje?

Recebi hoje mais uma destas mensagens enviadas por email:   Olá paz esteja com vocêDesejo...

Religião e Política. Por que uma não vive sem a outra? Aliás, dá pra separar?

Religião e Política, um bate papo com o professor de filosofia, doutor em Teologia, Kia...

Sai Dória, entra Eduardo Leite?

E se o dia apresentou João Dória desistindo – ou melhor, sendo desistido – da...

Comente!

guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Devil
Devil
1 mês atrás

A maioria absoluta dos políticos que trocam de partido são traidores de seus eleitores e vulgares oportunistas à procura de vantagens pessoais. Assim partidos como o do Bolsonaro e de Ratinho cresceram nesta “janela da traição”. Se os dois caciques perdem as eleições, há uma debandada geral desses partidos. Mas o maior exemplo de traição a partido foi dado pelo candidato ou ex-candidato Sérgio Moro. Mudou de partido depois do Podemos ter gasto entre dois e três milhões de reais em sua pré-campanha. Traição gera notícia, o traidor vira bactéria repugnante.