Afinal, quem ficou com o dinheiro da propina da Consist?

Diario do Poder

Alvo da Operação Custo Brasil, Paulo Bernardo (ex-ministro do Planejamento do governo Lula e ex-ministro das Comunicações no governo Dilma) declarou à Polícia Federal em São Paulo, na terça-feira (19), que não recebeu propinas de R$7,1 milhões do esquema Consist.

A Consist é uma empresa de software que fez acordo com entidades contratadas pelo Planejamento na gestão de Paulo Bernardo, em 2010. Cabia à Consist gerenciar o dinheiro emprestado a milhões de servidores públicos. O esquema teria desviado R$ 100 milhões de empréstimos consignados entre 2010 e 2015 por meio da cobrança de taxas altas.

Questionado sobre anotações encontradas no escritório do advogado Guilherme Gonçalves, de Curitiba, que indicam supostos repasses de valores em seu favor, Paulo Bernardo negou ter sido beneficiário. Ele sugeriu que Gonçalves pode ter ficado com o dinheiro.

O ex-ministro afirmou à PF que não teve relação com o acordo de cooperação técnica firmado por entidades com a Consist, contratada para administrar a liberação dos consignados a milhões de servidores. Mas admitiu ter tido uma reunião com as entidades para tratar do tema. (leia mais)

2 thoughts on “Afinal, quem ficou com o dinheiro da propina da Consist?

  • 21/07/2016, 15:13 em 15:13
    Permalink

    Como diria o Lula, “eu não sabia”, mas se perguntar para o nosso representante na Anatel, ai, ai ai, ….

    Resposta
  • 21/07/2016, 15:39 em 15:39
    Permalink

    Então o motorista da senadora e do ministro e da familia era pago por quem?
    Com que dinheiro?
    E o repasse do advogado ao ex vereador do PT de Londrina, Glaudio, e o tesoureiro da familia petista Zeno?
    Era paga do que Ministro?

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: