Condenado por improbidade

Do Angelo RigonGilson Cassol

O prefeito de Barbosa Ferraz, Gilson Andrei Cassol (PT) – aquele que fez campanha para Maria Victória (PP) e Zeca Dirceu (PT) no ano passado -, foi condenado por ter contratado empresa para prestar serviços na saúde. A ação por improbidade administrativa tinha sido apresentada pelo Ministério Público, informa Sid Sauer.

O juiz Renato Cigerza acatou a tese de que a prefeitura deveria ter feito concurso público. O contrato por um ano foi no valor de R$ 1,2 milhão. A vice-prefeita Pedra Guimarães, que era secretária de Saúde, também foi condenada. A sentença é em primeira instância e cabe recurso.
Compartilhe
Leia Também
Comente

Um comentário

  1. Joaquim

    Cidadão confuso. Como pode um petista apoiar alguém do PP, partido desde sempre aliado ao Beto Richa?

  2. Nelson Souza

    PREFEITO PAVINATO DDO PSDB – CAMBÉ CONDENADO A DEVOLVER 19 MILHÕES

    A Prefeitura de Cambé (Norte) deverá receber uma devolução superior a R$ 19,2 milhões. A decisão é do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), que julgou irregular a transferência desta soma, entre os anos de 2010 e 2012, pela administração municipal ao Instituto Atlântico, uma organização da sociedade civil de interesse público (Oscip).

    São responsáveis pela devolução do dinheiro, solidariamente, dois presidentes do Instituto Atlântico no período – Arthur Eliaquin Montagnini e Marcos Antônio Serra – e o prefeito de Cambé, João Dalmacio Pavinato (gestões 2009-2012 e 2013-2016), que autorizou o repasse. Os três foram multados em R$ 725,48 cada um, devido à irregularidade na gestão do convênio. A sanção está prevista no Artigo 87 da Lei Orgânica do TCE-PR (Lei Complementar Estadual 113/2005). Eles também devem ter seus nomes incluídos no cadastro de gestores com contas irregulares.

    Entre 2010 e 2012, a Prefeitura de Cambé repassou R$ 19.266.172,97 ao Instituto Atlântico, para a execução de serviços na área da saúde. A justificativa do prefeito para a contratação foi a necessidade de combater uma iminente epidemia de dengue que ameaçava a cidade. Como a entidade não cumpriu o dever de prestar contas, o TCE-PR instaurou uma auditoria nos repasses da administração municipal a entidades privadas.

    Na auditoria, técnicos da Diretoria de Análise de Transferências (DAT) concluíram que a documentação apresentada não comprova que o dinheiro foi realmente utilizado na finalidade do convênio, devido à falta de extratos bancários e comprovantes de aplicações. Também foram constatadas outras duas irregularidades: cobrança de taxa administrativa e contratação irregular de agentes comunitários de saúde e de combate a endemias, por meio da Oscip, contrariando a Lei Federal 11.350/2006 e o princípio constitucional do concurso para ingresso no serviço público.

    De acordo com a lei, a contratação dos profissionais deveria ser feita pelo Município, não pela entidade. A cobrança de taxa administrativa é vedada pela Resolução 03/2006 do TCE-PR. A exceção possível para a cobrança da taxa administrativa é quando ela tem caráter indenizatório, é devidamente motivada e detalhada em planilhas – o que não foi comprovado com documentação neste caso.

    Relatado pelo conselheiro Nestor Baptista, na sessão de 19 de agosto, a proposta de irregularidade das contas foi aprovada por unanimidade. A decisão foi embasada na instrução da Diretoria de Análise de Transferências (DAT) e em parecer do Ministério Público de Contas (MPC). Cópias dos autos serão encaminhadas ao Ministério Público Estadual, ao Ministério Público Federal, ao Ministério da Justiça e à Secretaria da Receita Federal,

    O valor exato a ser devolvido sofrerá atualização de juros e correção monetária e será calculado pelo TCE-PR no momento do trânsito em julgado do processo. Cabe recurso da decisão. Os prazos passaram a contar a partir desta terça-feira (26 de agosto), com a publicação do Acórdão 3804/15 – Segunda Câmara, na edição 1.190 do Diário Eletrônico do TCE-PR, veiculado em http://www.tce.pr.gov.br.

    Serviço

    Processo nº:

    322426/11

    Acórdão nº

    3804/15 – Segunda Câmara

    Assunto:

    Tomada de Contas Extraordinária

    Entidade:

    Município de Cambé

    Interessados:

    João Dalmacio Pavinato, Instituto Atlântico, Arthur Eliaquin Montagnini e Marcos Antônio Serra

    Relator:

    Conselheiro Nestor Baptista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar
Anúncios
Paçocast
Anúncios