Coordenador do governo em Cascavel ameaça jornalista

E volta e meia o governador do Paraná, o famoso Beto Richa, vacila na escolha nas escolhas de seus coordenadores regionais.

As coordenadorias regionais, que se funcionassem seriam ótimas para suas regiões, geralmente são usadas para acomodar políticos parças dos governantes do momento. E volta e meia essa premissa traz problemas para o governador.

Em Cascavel o coordenador da região Oeste Eliezer Fontana é dado a ameaças. Segundo o Sindicato dos Jornalistas do Paraná, na última semana, o tal ameaçou a jornalista Juliet Manfrin, que atua no jornal O Paraná, de Cascavel.

Veja abaixo a nota de repúdio do Sindicato:

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) repudia a atitude do coordenador regional do Governo do Estado no Oeste do Paraná, Eliezer Fontana, que ameaçou na tarde desta sexta-feira (8) a jornalista Juliet Manfrin, repórter do jornal O Paraná, de Cascavel. Por meio de mensagem via WhatsApp no telefone particular da profissional, Fontana afirma “que um dia da caça e outro do caçador. Jamais imaginei ser uma jornalista do mal. Acreditei que seria do bem. Me enganei. Quem prega o mal vai receber o mal”.

O contexto da ameaça está relacionado a reportagens sobre processos criminais e condenações por improbidade administrativa contra Eliezer Fontana no período em que foi prefeito do município de Corbélia, no Oeste do Paraná. Segundo informações de O Paraná, antes da ameaça textual a profissional já tinha recebido uma série de coações do representante do governo por meio de telefonemas.

Homem de confiança do governador Beto Richa no Oeste do Paraná, Fontana ocupa a função desde outubro de 2016. Ao insultar a jornalista no desempenho de suas funções, o representante do governo foge da conduta de civilidade e do tratamento respeitoso à imprensa que são requisitos imprescindíveis a quem ocupa um cargo público, mesmo em circunstâncias adversas.

A ameaça representou uma grave violação ao direito à informação e impedimento do exercício da profissão e liberdade de imprensa, passível de punição. O episódio merece repulsa não somente do representante legal da categoria dos jornalistas, mas de toda a sociedade consciente do papel da imprensa de cobrar a necessidade de eficiência e transparência na administração pública. O SindijorPR espera que o governo do Estado tome providências em relação à ameaça de seu representante.

Deixe uma resposta