E aí Beto Richa, vai explicar para os servidores públicos?

Do Cicero Cattani

Beto Richa começa a semana com um tema mais que  cabeludo:  explicar aos funcionários públicos paranaenses como pode uma empresa – a Zetra Sof –  cobrar R$ 2,00 por empréstimo consignado do funcionalismo estadual, enquanto a Consist do escândalo que envolveu Paulo Bernardo e o PT cobrava pelo mesmo serviço R$ 1,25, do funcionalismo federal, e que o Serpro (a Celepar do governo federal) que assumiu o encargo, passou a cobrar R$ o,30? (leia mais)

6 thoughts on “E aí Beto Richa, vai explicar para os servidores públicos?

  • 27/06/2016, 20:18 em 20:18
    Permalink

    Se entendi bem, os suspeitos de corrupção do governo federal ganhavam R$ 0,70 por operação (a empresa ficava com R$ 0,30). No governo tucano do PR, o custo é de R$ 2,00 por parcela paga. Se não houver corrupção nessa arrecadação aqui no Paraná (há quem duvide), podemos concluir que, mesmo com corrupção, o custo para tomador de empréstimo consignado em nível federal ficava 100% mais barato do que no PR. Estranho… muito estranho…

    Resposta
  • 28/06/2016, 10:53 em 10:53
    Permalink

    Dr. Moro que tal pedir umas explicações ao Beto. É aí pertinho mesmo. Nem vai precisar condução coercitiva. Ah, ele não é do PT? E por ser do PSDB não vem ao caso? Não, não precisa explicar; Eu só queria entender.

    Resposta
  • 28/06/2016, 13:42 em 13:42
    Permalink

    Salvo engano, no Paraná, os servidores não pagam nada pelo desconto em folha de pagamento, ficando os encargos totalmente às custas das instituições financeiras, de forma semelhante ao que ocorre no Tribunal de Contas da União (TCU), que também utiliza o sistema da ZetraSoft Ltda.

    O caso do governo federal causa espanto, pois enquanto no Paraná, os próprios bancos pagam pelo serviço a seu favor, lá no governo federal, os bancos nada pagam e os custos são todos custeados pelos servidores. Ou seja, não se duvide que os envolvidos estejam recebendo também do banco pela “anistia” dada ao repassar este custo aos servidores.

    Resposta
  • 28/06/2016, 15:23 em 15:23
    Permalink

    Parece que o amigo aí de cima não entendeu o post. Se quiser mais detalhes, basta clicar no “leia mais” que o Cattani explica. Como nos empréstimos federais, nos empréstimos estaduais esses custos são embutidos no empréstimo e o tomador nem sabe que está pagando. Além do mais, bancos que pagam pelo serviço a seu favor cobram depois dos clientes. Só o Sérgio que acredita em banco bonzinho. Não é à toa que os empréstimos consignados obtidos pelo funcionalismo estadual pagam juros mais altos que os empréstimos consignados feitos através de órgãos federais. Podem comparar.

    Resposta
  • 29/06/2016, 11:28 em 11:28
    Permalink

    Comparando taxas de juros… Para servidor publico federal, taxa de 1,90%. Para o servidor público estadual, taxa de 1,40% a 1,89 (48 meses).

    Além dos juros, a taxinha PB & cia cobrado do servidor. No caso do PR, 1,89% e taxa cobrado do banco. Claro que deve estar diluída a taxinha, mas comparando os juros e a economia de escala (muito mais servidores), então, imagina o rombo no caso federal?

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: