Eles fizeram a História. Sem saber

Por José Antonio Pedriali

O Norte do Paraná, uma das regiões mais produtivas do Brasil e do mundo, é resultado do projeto de colonização desenvolvido pela Companhia de Terras Norte do Paraná (CTNP), criada por investidores britânicos na década de 1920. A empresa, que ampliou as atividades para a exploração do transporte ferroviário por meio da Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná (CFSP), foi adquirida por empresários paulistas duas décadas depois por imposição do governo da Grã-Bretanha, que exigiu a repatriação do capital de seus concidadãos para custear os esforços de guerra contra o nazismo.

Vinte e um de agosto de 1929 marca o início do processo de colonização. Nessa data, acampou, com a missão de abrir uma clareira que permitisse a instalação do núcleo inicial do projeto, que abarcava 546 mil alqueires, o primeiro grupo de funcionários da CTNP. Esse grupo era chefiado por um jovem de 20 anos, de ascendência inglesa, George Craig Smith. Ele tinha sob seu comando o engenheiro agrimensor russo Alexandre Razgulaeff e seu auxiliar Spartaco Bambi, que viajou acompanhado da esposa e um filho; o cozinheiro alemão Erwin Frölich; Geraldo Pereira Maia e Joaquim Barbosa e o português Alberto Loureiro, que comandava a equipe encarregada de derrubar a mata e erguer os primeiros ranchos. Não se sabe o número exato dos integrantes da comitiva, que viajou de Ourinhos a Jataizinho em caminhonetes que desafiaram as armadilhas da Serra Morena, transpôs o Rio Tibagi em canoas que rebocavam as mulas e completou o trajeto a pé, guiada por índios, até o local do acampamento, batizado de Marco Zero – e preservado até hoje.

A colonização do Norte do Paraná foi uma epopeia que uniu capitalistas ingleses e depois brasileiros, funcionários dedicados da colonizadora e colonos e empresários avulsos. Os primeiros visavam ao lucro, os segundos à correspondência a seus salários e em busca de eventuais promoções, os colonos a um quinhão da riqueza que a fertilidade do solo proporcionava, desde que adubado pelo trabalho, e os empresários avulsos, com predominância dos comerciantes e prestadores de serviços, à prosperidade econômica.

Não houve heróis, mas homens e mulheres abnegados e estoicos, que se se submeteram a todo tipo de sacrifício e privação para se impor ao desafio de substituir a floresta pela agricultura e dela tirar proveito. Esse objetivo coletivo seria mal visto hoje, pois a preservação das reservas naturais ocupa lugar de destaque na agenda política e econômica, mas estávamos no início do século passado, com abundância de terras férteis a serem exploradas e muita, muita área preservada.

Não houve heróis, mas personagens decisivos para que o projeto colonizador fosse viabilizado e tivesse êxito. Tudo começou com o major Antônio Barboza Ferraz, dono de uma fazenda de café em Cambará, que convidou o escocês Simon Frazer, o lorde Lovat, para se associar à CFSP. Lovat recusou o convite, pois seu interesse era comprar a fazenda do major, que recusou vendê-la, mas foi convencido pelo engenheiro paulista Gastão Vidigal Filho a colonizar a região inexplorada entre os rios Tibagi e Ivaí. E depois a assumir o controle da empresa ferroviária. Vidigal foi um dos empresários que comprou a CTNP e a CFSP com a saída dos britânicos.

George Smith é o personagem que desponta entre os pioneiros por sua condição de líder do que se convencionou chamar de “caravana pioneira”, participação nos primeiros esforços para consolidar o núcleo urbano que daria origem a Londrina e retorno à cidade, 40 anos depois de deixá-la por motivos pessoais. Ao voltar, transformou-se, por testemunhar e fornecer documentos, em “guardião da história”.

Smith, seus colegas da “caravana pioneira” e todos os que participaram dessa epopeia fizeram História. O chefe da caravana sintetizava seu papel recorrendo a um pensamento de William Shakespeare: “Alguns nascem grandes, outros conquistam a grandeza e ainda outros têm a grandeza jogada por cima deles”.

 

 

2 thoughts on “Eles fizeram a História. Sem saber

  • 21/08/2020, 19:51 em 19:51
    Permalink

    Pedriali, o que vc acha da Lavagem de Dinheiro??? Sabe o que estou a dizer.

    Resposta
  • 23/08/2020, 09:09 em 09:09
    Permalink

    Sugiro que preste homenagem e escreva um livro sobre o Dr Hosken de Novaes, pai e criador da SERCONTEL, que tanto contribuiu para o desenvolvimento de Londrina. Nossa cidade poderia hoje estar a anos luz na frente de muitos Municípios da região Sul do Brasil. Infelizmente se tornou abrigo por décadas dos amigos do alheio, ou seja, do dinheiro público.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: