Ex-vereadores que ficavam com dinheiro de assessores são denunciados

de O Popular

A juíza titular da Vara Criminal de Araucária, Débora Cassiano Redmond, já analisou quatro das nove novas ações penais protocoladas pelo Ministério Público local ao longo dos últimos dias contra ex-vereadores e assessores destes ao longo da legislatura 2013-2016. As denúncias são um desdobramento da fase Mensalinho da operação Sinecuras.

Os novos processos foram protocolados com base em depoimentos de cargos em comissão destes vereadores ou apadrinhados por eles ao longo das investigações que se deram após a deflagração da operação pelo Ministério Público, lá em abril passado.

Segundo consta nas denúncias, esses cargos em comissão precisavam devolver parte de seus salários para permanecerem nomeados. O repasse era feito diretamente ao vereador ou a pessoas indicadas por eles, as quais também foram CCs em algum momento e exerciam funções como chefe de gabinete.

As quatro decisões foram tornadas públicas no final da tarde desta sexta-feira, 14 de dezembro, e no entendimento da magistrada há sim indícios suficientes para receber as denúncias do MP e tornar os acusados réus pela suposta prática de crimes como concussão, associação criminosa e organização criminosa. (leia mais)

3 comentários em “Ex-vereadores que ficavam com dinheiro de assessores são denunciados

  • 15/12/2018, 13:06 em 13:06
    Permalink

    Aqui no Norte do Paraná não é diferente. Sem contar as barganhas dos prefeitos com as câmaras de vereadores em busca de cargos e outras benesses. O MP de Londrina tem se dedicado a grandes causas como Publicano, mas deixado a desejar no dever de casa. Talvez seja o excesso de trabalho. Mas está faltando uma atuação mais firme em alguns gabinetes e legislativos.

    Resposta
  • 15/12/2018, 14:15 em 14:15
    Permalink

    po .essa cambada de políticos nao vão se tocar que essa prática antiga de roubo tá muito manjada? ate o filho do Bolsonaro caiu nessa.ACORDEM IDIOTAS OU VAO TODOD PARA A CADEIA.

    Resposta
    • 17/12/2018, 10:55 em 10:55
      Permalink

      É verdade. esse esquema é manjado e tem até nome: gafanhoto. Mas pode render uma boa grana. No caso do filho do Bolsonaro, o valor arrecadado em apenas um ano pode ter chegado a R$ 1,2 milhão!!! Imagine em quatro anos. E se o político for profissional e fizer parte de uma família de políticos profissionais, esse clã rapidamente será formado por milionários.

      Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: