No estádio Mané Garrincha, o mais caro do Brasil, falta água quente e até móveis

“Acho que é um pouco ofensivo um estádio custar tão caro e faltar água quente, mobília e ter um gramado tão ruim”, disse Levir em entrevista coletiva, ontem, depois da classificação do Fluminense na vitória por pênaltis sobre o Inter, pela Primeira Liga.

O Mané Garrincha foi o estádio mais caro construído para a Copa do Mundo, com custo estimado pelo Tribunal de Contas do DF em R$ 1,7 bilhão. O valor, segundo os cálculos, é 153% maior do que os R$ 670 milhões previstos inicialmente no projeto.

Deixe uma resposta