Salários sem aula

do Leandro Mazzini/O Sul

Reitores de federais têm avisado a contatos, discretamente, que o ano letivo nas universidades já era. Cursos retomam a grade integral em agosto ou setembro, mas para planejar o calendário de aulas de 2021. A despeito disso, o corpo docente continua a receber o salário em dia, mesmo sem planejamento de retomada ou realização de aulas online. Consultado, o Ministério da Educação confirma o pagamento dos salários nas federais desde março, quando começou o confinamento por causa da pandemia do coronavírus e as aulas foram suspensas. Avisa que as universidades não estão paralisadas, porque há atividades extracurriculares, mas não tem como monitorar.

Todos em casa
A Coluna questionou a UFMG, UnB, UFRJ, USP sobre as aulas. Todas estão suspensas e somente a paulistana indicou que as aulas de pós-graduação são ministradas online.

Em BH
“A UFMG está com aulas suspensas desde o dia 18 de março, sem adoção de aulas a distância. Neste período, têm sido ofertadas atividades extra-curriculares”, informa a federal.

Atrasadão
Na UFRJ, a assessoria afirma que a “Reitoria está fazendo pesquisa junto à comunidade universitária sobre acesso a recursos remotos”. E que um “grupo estuda questões relacionadas a calendário acadêmico”.

No cerrado
Em Brasília, a UnB cravou que suspendeu o calendário acadêmico do 1º Semestre deste ano. “Isso inclui atividades presenciais e on-line”

#fiqueemcasa 2.0
A Coluna tem informes de que muitos professores das federais querem e podem dar aulas online, mas são pressionados por colegas sindicalizados a ficarem em casa.

Cegueira do MEC
Vergonha para as federais que, apesar do aperto, têm milhões de reais mensais repassados pelo MEC e há 70 dias “estudam” ferramentas para ministrar aulas virtuais.

Bico
Há relatos de que há professores, servidores públicos, priorizando contratos com faculdades particulares, pelas quais dão cursos online. E o aluno da pública que se vire.

Bom exemplo
Veja o bom exemplo, a custo zero, de que com atitude, esforço conjunto (mestres e alunos) e ferramentas simples é possível ter aulas online. Alunos do primário de cidadezinha de 3 mil habitantes das montanhas de Minas Gerais recebem as tarefas diariamente por whatsapp dos pais.

‘Dever de casa’
Feito o ‘dever de casa’, reenviam para o professor corrigir. E ainda há chamadas de vídeos para ‘tomar’ tabuada e aulas de português. Preservaremos o nome do município, escola e professores para evitar perseguição de professores e sindicatos.

Deixe uma resposta