Hospital do Coração de Londrina é vendido por 170 milhões

Da Assessoria

O Grupo NotreDame Intermédica, por meio de sua subsidiária, a Clinipam, assinou, nesta terça-feira (24/11), um contrato de compra do Hospital do Coração de Londrina.
Por 100% das quotas, serão pagos R$ 170 milhões, descontando-se o endividamento líquido e uma parcela para contingências. Em 2019, o hospital londrinense apresentou um faturamento de R$ 135,2 milhões.
A consumação da transação está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), ainda sem prazo definido.


O Hospital do Coração de Londrina foi fundado em julho de 2003, por um grupo de sete profissionais da área da saúde. O objetivo inicial era se consolidar como centro de excelência para cirurgias cardiovasculares e tratamento clínico de pacientes com doenças cardíacas. No começo, eram apenas 22 leitos para internamentos; oito deles de terapia intensiva.
O conceito de atendimento personalizado, baixíssimos índices de infecção hospitalar e trabalho em equipe multidisciplinar chamou a atenção de médicos de outras especialidades, que passaram a pedir a ampliação da estrutura. A comunidade de Londrina e região também passou a procurar o hospital,
solicitando atendimentos para as demais especialidades. Com isso, a partir de 2006 o Hospital do Coração de Londrina iniciou um plano de expansão em sua primeira unidade, na Rua Paes Leme, Jardim Ipiranga.
As obras se concluíram em 2010.
Em 2012 foi inaugurado o primeiro Centro de Especialidades para consultas agendadas, na Avenida Bandeirantes, com 32 consultórios. Pacientes de todo o Paraná e de outros estados do Brasil optaram pelos serviços do hospital londrinense. Com a alta demanda, foi necessário realizar uma nova expansão. Assim, em 2015, concluiu-se a Unidade Bela Suíça, voltada inicialmente para o atendimento de crianças, gestantes e adolescentes.
A partir de 2017, após segunda fase de obras, a Unidade Bela Suíça, localizada na Avenida Adhemar Pereira de Barros, passou a oferecer atendimento geral.
Atualmente, está entre os hospitais mais modernos do Brasil, com heliponto, plataforma para cirurgia robótica, UTI pediátrica, UTI neonatal, UTI geral, centro cirúrgico com sete salas e complexo de exames de imagens. O Hospital do Coração de Londrina, em todas as suas unidades, gera 700 empregos diretos e tem 248 leitos, 83 deles de UTI.
“Diante de toda a nossa história de crescimento, consideramos que o ideal é continuar em evolução, agregando ainda mais tecnologia, capacitação de profissionais, protocolos modernos de atendimento. Por isso, optamos pela
continuidade de evolução do hospital que fundamos, encontrando no projeto apresentado pelo GNDI os mesmos valores que nós cultivamos. Estamos certos de que a comunidade do nosso Estado e de toda uma ampla região que
vai além do Paraná vai se beneficiar. Começamos agora a escrever um novo capítulo da nossa história, com entusiasmo, alegria e responsabilidade”, destaca Cristina Sahão, diretora geral do Hospital do Coração de Londrina.
Sobre o Grupo NotreDame Intermédica Fundado em 1968, o GNDI opera planos de saúde, planos odontológicos e saúde ocupacional. Sua Rede Própria de Atendimento conta com uma estrutura de 26 hospitais, 87 Centros Clínicos, 23 Prontos Socorros Autônomos, 14 Centros de Medicina Preventiva, 68 pontos de coleta de análises clínicas, 12 unidades para exames de imagem e 2 Centros de Saúde exclusivamente dedicados aos idosos (“NotreLife 50+”), localizados nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina, além de ampla rede credenciada e de clínicas odontológicas com mais de 16 mil dentistas credenciados. Além das regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, possui, também, filiais nas cidades de Americana,
Campinas, Jundiaí, Santos, Sorocaba, Divinópolis, Nova Serrana e Balneário Camboriú. Um de seus principais conceitos é a excelência na gestão do atendimento baseado no melhor acolhimento e na segurança dos pacientes.
O Grupo NotreDame Intermédica é listado no Novo Mercado da B3- Brasil, Bolsa, Balcão, com prática de divulgação trimestral de resultados ao mercado.

Deixe uma resposta