Partido NOVO briga pelo fim do Fundo Partidário e garante que é diferente, diz Felipe Camozzato

O partido NOVO está correndo o trecho para se posicionar como realmente uma sigla diferente das demais agremiações partidárias. Uma das posturas é não aceitar o Fundo Partidário, que nada mais é do que dinheiro público para os partidos.

Em Londrina para uma palestra, o vereador Felipe Camozzato, conversou com o blog e disse que se for para avançar em algumas questões, o partido – que é recheado de profissionais liberais e empresários – faz aliança programática até com o PSOL e o PT.

, , , , ,

Partido NOVO. Confira a entrevista com o presidente e se o partido é novo mesmo

O Partido Novo fez uma reunião ontem em Londrina, como tem feito em várias cidades do Paraná, para apresentar o projeto do partido, a forma como deseja atuar e, obviamente, angariar filiados.

Na eleição passada, o Novo elegeu quatro vereadores: Rio, São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte. Uma das resoluções do partido é que os eleitos trabalhem com o mínimo possível de estrutura. “Em São Paulo, por exemplo, são autorizados até 20 assessores. Nosso vereador tem apenas seis. Não aceitamos verba de correio e nem de combustível ou carro oficial. Se todos os vereadores destas cidades fizessem o mesmo, a economia estimada seria de R$ 800 milhões nos quatro anos de mandato”, disse o presidente estadual do Novo, Ubiratan Guimarães.

Antes da reunião em Londrina, o presidente do partido participou do Conversa Política. Veja acima.

E não se esqueça de Inscrever-se no canal AQUI.