O choro do chefe Raoni, inédita no País ganha transmissão na Rádio UEL FM

foto Gabriel Gomes/Divulgação

Da Assessoria

Na semana em que o Supremo Tribunal Federal julga o marco temporal, sobre demarcação de terras indígenas, e Brasília registra a maior mobilização indígena na história do País, com 6 mil membros, de 170 etnias diferentes, mobilizados contra a proposta, estreia no Brasil a composição radiofônica Kayapó – O Choro do Chefe Raoni, de Robin Minard. A peça será veiculada neste sábado, dia 4, às 11 horas, na Rádio UEL FM (107,9 Mhz – www.uelfm.uel.br). O programa tem reprise no feriado do dia 7, ao meio-dia, e no dia 9, às 21 horas. Robin é canadense e vive na Alemanha há muitos anos. A obra teve patrocínio das emissoras Deutschlandfunk Kultur (Berlim) e da Westdeutscher Rundfunk (Colônia).

É dedicada aos povos guarani e kayapó da floresta amazônica e ao chefe Raoni, do povo kayapó. Ele é um dos principais fundadores do movimento para preservação das últimas florestas tropicais e uma de suas vozes mais importantes desde 1960.

A peça foi produzida a partir da vinda do compositor ao Brasil, em abril de 2018, quando ele participou dos protestos do acampamento Terra Livre, em Brasília, ouviu os indígenas, gravou cantos e histórias sobre a destruição das terras tradicionais e a erradicação dos povos originários. Em maio, Robin visitou a Floresta Amazônica, perto de Manaus, e registrou a beleza da natureza: canários, macaco-aranha, bugios, chuva suave.

A obra tem gravações de campo, articuladas com vozes e histórias dos povos indígenas. E uma lista com o nome de 45 índios assassinados no País, de diferentes etnias, em emboscadas e na luta pela proteção de seu povo e de suas terras. São mulheres e homens, jovens e velhos; muitos deles ativistas dos direitos dos indígenas, mortos por madeireiros ilegais, pistoleiros e fazendeiros que ocuparam territórios dos povos tradicionais. A lista traz as etnias Truká, Guajajara, Paresi, Xakriabá, Guarani, Macuxí, Tupinambá, Kaingang, Pataxó, Tenharim, Potiguara, Xukuru-Kariri e Kaxarari.

A composição, com 50 minutos de duração, foi encomendada por duas emissoras alemãs e estreou em maio de 2019. Teve várias transmissões na Europa. A iniciativa de veicular a peça radiofônica no Brasil é da produtora cultural e radiomaker Janete El Haouli, que dirigiu a UEL FM no início dos anos 2000. Janete conhece Robin há duas décadas e trabalhou com ele na versão em português, com a colaboração do compositor José Augusto Mannis, da Unicamp. Janete fez a narração em português e Mannis foi responsável pela gravação. Ela também deu apoio ao compositor na vinda dele ao Brasil, há três anos atrás.

“A peça foi toda feita aqui; gravações de campo na Floresta Amazônica e também nos protestos em Brasília. Não teria sentido mostrá-la só na Europa”, explica Janete, que contratou tradutora e revisores para o trabalho. Ela comenta que Robin acumulou 300 horas de gravação no Brasil. Para ela, o público que escutar o documentário vai se sentir dentro da floresta. A produtora diz que a experiência não é só estética – é também política e social, considerando a gravidade da situação dos índios no País.

A vinda de Robin ao Brasil foi inspirada por Tiago de Oliveira Pinto e teve uma equipe de apoio de três pessoas no Brasil (além de Janete, Majoí Gongora e Patricia Bonilha). As traduções em Brasília foram feitas por Gabriel Soares, que também atuou como guia de Robin na floresta; Sardes Fernandes Ramos organizou a viagem para a Amazônia.

Sobre Robin Minard

Nascido em 1953, em Montréal (Canadá), é um artista sonoro. Os trabalhos para rádio incluem: ‚Listening to Australia‘ (DKultur 2008), ‚The Qikiqtaaluk Deep Map‘ (WDR/DKultur/Freunde Guter Musik/Elektronisches Studio der TU Berlin 2014). De 1997-2021 foi professor de composição eletroacústica e arte sonora no HfM Franz Liszt e na Universidade Bauhaus de Weimar, onde também foi diretor do Estúdio de Música Eletroacústica (SeaM). Suas instalações sonoras e trabalhos eletroacústicos foram apresentados em todo o mundo.

Sobre Raoni

Na peça radiofônica, Raoni diz que não está lutando apenas pelo povo Kayapó. “Que está lutando porque a floresta tropical está sendo destruída e que precisamos preservar a floresta… para que possamos respirar”. O site oficial do líder do povo Kayapó mostra que, “para além da Amazônia, Raoni representa o símbolo vivo da luta das últimas tribos do mundo para proteger uma cultura milenar, em conexão direta com a natureza: uma luta pela vida”.

Ainda de acordo com sua biografia, ninguém sabe, com precisão, o dia em que veio ao mundo. “Foi provavelmente no início dos anos 1930, talvez 1932. O que sabemos, contudo, é que ele nasceu num vilarejo chamado Krajmopyjakare, lugar que hoje se chama Kapôt, no coração do Mato Grosso”. Reportagem da National Geographic Brasil mostra que, aos 15 anos, Raoni teve ajuda do irmão para instalar o labret (também conhecido por botoque), que é um disco de madeira e adorno utilizado no lábio inferior usado por chefes de guerra de grandes oradores das tribos.

Ainda segundo a matéria, em 1954, Raoni teve o primeiro contato com os brancos ao se deparar com uma expedição dos irmãos Villas-Bôas, com quem aprendeu português – no documentário sobre ele, o cacique se refere a Orlando como pai. Também foram os Villas-Bôas que apresentaram o cacique ao seu primeiro contato internacional de renome: o rei Leopoldo 3º da Bélgica, que fazia uma expedição pelo Mato Grosso em 1962. Leopoldo – que reinou entre 1934 e 51 e se interessava por antropologia e fotografia – ainda encontraria Raoni outras duas vezes nos anos 1960. Mas foi na década seguinte que outro belga alavancaria de vez a imagem do líder indígena para o mundo. Encantado com o carisma do cacique, o documentarista Jean-Pierre Dutilleux gravou um filme sobre a luta de Raoni pela defesa da floresta e os modos de vida tradicionais dos povos indígenas.

Lançado em 1976, Raoni foi sucesso no festival de Cannes e traz cenas da sua primeira visita a São Paulo, onde conhece uma aldeia Guarani, já naquela época quase engolida pela cidade. O burburinho em torno do filme fez com que Jean-Pierre produzisse uma versão em inglês no ano seguinte, narrada pelo ator Marlon Brando (em português, o filme tem a voz de Paulo César Pereio).

A matéria da National Geographic conta também que foi essa fama que trouxe o cantor Sting ao Xingu para conhecê-lo, em 1987. Nos anos seguintes, Sting criou a ONG Rainforest Foundation para apoiar causas defendidas por Raoni, como a demarcação de terras indígenas Caiapó adjacentes ao Parque do Xingu (o que de fato aconteceu no começo nos anos 1990). Finalmente, em 1989, o músico levou o cacique junto de si para uma turnê por 17 países.

Desde então, Raoni se tornou uma espécie de embaixador global da necessidade de preservação do meio ambiente. Entre os destinos preferidos do cacique, que ainda mora numa aldeia caiapó em Mato Grosso, está a França, onde já se encontrou com diversos presidentes, de várias orientações políticas.

Em sua luta no País, declarou guerra, em 2010, à construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Já idoso, Raoni Metuktire diminuiu o ritmo e se afastou do público (ele já não fala mais português, diz se expressar melhor em caiapó). Mas desde 2019 tem se posicionado contra o presidente Jair Bolsonaro. Em janeiro deste ano, ele e o cacique Almir Suruí abriram denúncia contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional (TPI), o Tribunal de Haia, citando crimes ambientais, em um contexto de crimes contra a humanidade. A representação feita pelas duas lideranças indígenas contou com a ajuda do advogado francês William Bourdon, famoso por defender causas internacionais de direitos humanos. É a quinta denúncia contra Bolsonaro na TPI.

Sobre os índios no Brasil

Segundo o Instituto Sócio-Ambiental, que faz um dos trabalhos mais completos sobre os indígenas no Brasil, são 256 povos falantes de mais de 150 línguas. Segundo o Censo IBGE 2010 (a pesquisa de 2020 foi cancelada), eles somam 896.917 pessoas. São quase 325 mil em cidades e pouco mais de 570 mil em áreas rurais, o que corresponde aproximadamente a 0,47% da população total do País. A maior parte dessa população se distribui por milhares de aldeias, situadas no interior de 725 terras indígenas, de norte a sul do território nacional.

SERVIÇO

O choro do chefe Raoni

Estreia sábado, dia 4 de setembro, 11 horas

Reprise dia 7, terça, ao meio-dia

E dia 9, quinta, às 21 horas

Na UEL FM (em 107,9 Mhz e no aplicativo)

Composição: Robin Minard

Versão em português e narração: Janete El Haouli

Deixe uma resposta