Reforma Tributária será prioridade do governo. Será?

Há mais de uma década especialistas em tributação, entidades empresariais e alguns políticos um pouco mais atentos à realidade brasileira entendem que é necessário simplificar a cobrança de tributos no País.

Além do cipoal de leis, decretos incisos etc, que pouquissimos profissionais conseguem entender, a carga tributária, hoje em torno de 34,5%, é considerada excessiva. No entanto, entre os projetos que tramitam na Câmara e no Senado, nenhum deles se propõe a reduzir a carga, mas simplificar o pagamento.

Também é notório que a população mais pobre, proporcionalmente, paga bem mais impostos do que a população mais rica. Estas distorções são sempre colocadas na mesa, geram polêmica e não se encontra solução.

A reforma tributária é apontada como uma das pautas prioritárias do novo governo e do Congresso Nacional. Na Câmara dos Deputados, estão em discussão algumas propostas de emenda à Constituição (PECs). Três delas (PECs 45/19, 110/19 e 7/20) foram objeto de debate nos últimos três anos.

A PEC 7, aprovada na comissão especial, pretende cobrar o imposto sobre o consumo apenas na venda final ao consumidor, permite aos estados a adoção de alíquotas complementares de imposto de renda e busca retirar encargos da folha de salários. As duas outras propostas têm um mecanismo que busca descontar o imposto pago em fases anteriores.

Em 2020 e 2021, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) produziu um relatório, unificando os textos das PECs 45 e 110 (esta última aguarda votação no Senado Federal). A PEC 45, que chegou a ser avocada para ser votada diretamente pelo Plenário, foi baseada em estudos realizados pelo novo secretário especial da Reforma Tributária, Bernard Appy.

O relatório de Aguinaldo cria o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) em substituição a cinco tributos: PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS. A ideia é simplificar o sistema e fazer com que a tributação sobre consumo seja cobrada apenas no destino final das mercadorias e serviços. Para isto, seria feita uma transição de seis anos. Algumas dificuldades são encontrar uma alíquota que não pese muito para o setor de serviços e amenizar as perdas de estados produtores como São Paulo.

Nova discussão
O deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), que participou de comissão especial criada para analisar a PEC 7/20, acredita que é melhor juntar todas as propostas, as velhas e as novas, e rediscutir tudo.

“Precisamos retomar este debate em uma nova comissão especial. O sistema atual, para mim, esgotou. É um sistema que reproduz desigualdade porque rouba os recursos dos mais pobres, dos consumidores. Os 34 países mais ricos do mundo tributam no máximo 17 a 20% no consumo. O Brasil tributa mais de 50%”, avalia.

Lopes explicou que o governo também quer taxar mais a renda e o patrimônio para oferecer alíquotas menores no imposto sobre consumo. Além disso, o presidente Lula disse na campanha que pretendia isentar de Imposto de Renda os ganhos até R$ 5 mil mensais.

Manutenção da carga tributária
A deputada Bia Kicis (PL-DF), relatora da PEC 7, afirma ser favorável a uma maior taxação da renda mas defende a manutenção da carga tributária geral; ou seja, que empresas e pessoas físicas não tenham que aumentar o que repassam para o governo em seu conjunto.

“A produção vai ser totalmente desonerada. O consumo vai ser cobrado só lá na ponta. Desonerando a cadeia, você tem uma produção muito mais barata. Com isso, você reduz o preço da mercadoria. E aí faz com que empresários e industriais abram mais postos de trabalho. Contribui para vencer o desemprego”, avalia.

*Com informações da Agência Câmara de Notícias

Compartilhe
Leia Também
Comente

Um comentário

  1. Anubian

    Reforma tributária vinda do PT pode apostar que vai ser um daqueles jabutis que se resumem a “vamo taxá us ricu”, na teoria é lindo e maravilhoso para o pobre e o trabalhador, mas na prática só serve pra falir todo mundo.

  2. Décio Paulino

    Será? Os ricos, que hoje pagam pouco proporcionalmente à sua riqueza, não querem pagar mais. O rico recebe milhões em dividendos e não paga Imposto de Renda. Já quem recebe salário em torno de R$ 2 mil paga. Os pobres, coitados, pagam impostos altíssimos embutidos nos preços dos produtos que consomem. As empresas também não querem pagar mais. A classe média tá lascada. Não há equação que resolva esse problema.

  3. Genildo

    Já existem 3 propostas que modernizam o sistema tributário mas que nunca foram votadas e agora querem apresentar mais uma, um “bem bolado” das 3 propostas iniciais. Nunca serão votados e digo o porque: obriga o governo a gastar bem.
    Agora, se aparecer uma proposta que favoreça a gastança do governo aí quem sabe né…..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar
Anúncios
Paçocast
Anúncios