Professores da UEL, UENP e UNESPAR-Apucarana decidem manter a greve

Foto Sindiprol/Aduel
Foto Sindiprol/Aduel

Reunidos no Anfiteatro Maior do Centro de Letras e Ciências Humanas (CCH), da Universidade Estadual de Londrina, professores da UEL UENP e UNESPAR-Apucarana (base do Sindiprol/Aduel) decidiram hoje manter a greve por tempo indeterminado. Aproximadamente 450 pessoas participaram da assembleia.

O ponto que impede o retorno às aulas é o projeto sobre a ParanáPrevidência. Os professores querem que o projeto apresentado pelo governo na Assembleia Legislativo seja retirado definitivamente de pauta.

Os professores querem ainda a abertura de negociações entre o governo e o movimento grevista, o pagamento imediato do terço constitucional de férias e o repasse dos valores devidos às universidades, entre outras deliberações aprovadas na assembleia de hoje. Veja mais abaixo:

 Deliberações da Assembleia docente UEL, UENP e UNESPAR-Apucarana

1.  Continuidade da greve por tempo indeterminado.

2.  Retirada definitiva de qualquer projeto que altere a PARANAPREVIDÊNCIA.

3. Abertura de negociações entre o governo e o movimento grevista (docentes, técnico-administrativos e estudantes); as propostas devem ser assinadas pelo governador e apresentadas aos representantes do movimento de greve.

4. Imediata retirada da UENP e UNESPAR do META 4, e revogação dos decretos que ameaçam colocar as outras universidades sob gestão direta do governo.

5. Revogação do decreto que cria o GT sobre autonomia.

6. Pagamento imediato do terço constitucional de férias.

7. Repasse imediato dos valores devidos às universidades.

8. Implementação do incentivo por titulação já acordado como governo.

9. Nomeação imediata dos docentes aprovados em concursos públicos

*

Com Assessoria de Imprensa

Um comentário em “Professores da UEL, UENP e UNESPAR-Apucarana decidem manter a greve

  • 05/03/2015, 15:57 em 15:57
    Permalink

    De novo reclamam do tal META 4 – um programa de informática que gerencia as folhas de pagamento de pessoal.
    Será que vão impedir o gerenciamento e controle de folha de pagamento, como daqueles certificados frios que davam lucro para funcionários da UEL e UEM?
    Meus sais.
    Estão com medo de controle gerencial em folha de pagamento.
    Estão na época de Guarda Livros?

    Resposta
  • 05/03/2015, 16:00 em 16:00
    Permalink

    http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-12-6-127-20120123

    A investigação apura documentos de conclusão de ensino superior e de ensino médio. Nenhum dos certificados em suspeita teria sido emitido pela UEL.

    Até hoje, nenhum caso suspeito foi confirmado como fraudulento tampouco houve confirmação de que servidores do Departamento de Recursos Humanos seriam coniventes com fraudes do gênero.

    Resposta
  • 06/03/2015, 08:23 em 08:23
    Permalink

    Vergonhosa essa greve. Esta na hora da UEL abrir a caixa preta do seu gigantesco orçamento, buscar alternativas financeiras, e não depender só do caixa do Estado. Vivem do dinheiro público e nunca se cansam de criticar o Governo. Produzam, camaradas e companheiros, e libertem-se desta dependência estatal.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: