Não há limites para a ambição dos Barros

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, conhecido pelas declarações desastradas que já ofenderam médicos, mulheres e outros grupos, tem um objetivo muito claro: quer se manter no poder, custe o que custar

A revista Piaui trouxe, dias atrás, uma matéria interessante sobre os movimentos do camaleônico ministro da Saúde, Ricardo Barros, para fazer de sua família a nova oligarquia do Paraná.

Veja a matéria produzida pelo jornalista Rafael Moro Martins:

O CÉU É O LIMITE

trajeto entre a igreja e o salão de festas era curto – coisa de poucos metros de caminhada –, mas havia se formado um inesperado e incontrolável corredor polonês. De um lado, manifestantes gritavam “Fora Temer”, cuspiam, jogavam ovos, garrafas e até pedras portuguesas nos convidados da festa – que, no outro extremo, tentavam se proteger dos ataques com as mãos, abaixando-se. Com guarda-chuvas, seguranças contratados para o evento tentavam socorrer os convidados do bombardeio. No meio, a noiva ria amarelo, o rosto transparecendo contrariedade, tentando sublimar o que acontecia. (mais…)

, ,

João Arruda racha família Requião

Grandes amigos, hoje um tanto estremecidos

do Fabio Campana

Em entrevista ao npdiario.com, o deputado João Arruda (PMDB) expôs o atual racha na família do senador Roberto Requião (PMDB). Arruda é sobrinho de Requião, mas vai disputar o comando do diretório do partido em Curitiba contra o indicado pelo senador. “Eu me chamo João Arruda! Política é coisa séria. Na última eleição não pedi nem gravação de apoio para o Requião”, afirmou referindo-se ao seu tio. (mais…)

, , , ,

Álvaro Vaselina Dias vai ouvir muito dos empresários do Paraná

E o senador Álvaro Fernandes Dias

Álvaro, em seu momento meiguinho – fotodo blog amigos de Lula

(PODE) arrumou um grande enguiço com vários segmentos empresariais do Paraná.

O motivo foi a vasilinada dele em relação à Reforma Trabalhista. Em ambientes empresariais ele dizia-se favorável à Reforma.

Ontem, durante a votação, ficou ao lado da petista Gleisi Hoffmann e do pemedebista Requião votando contra a reforma.

Pois bem, que se prepare, vai ouvir poucas e boas do empresariado paranaense.

, , , , , , , , , , , , , , ,

Copel também tem culpa no imbróglio da Sercomtel

A sócia Copel também é culpada pela crise na Sercomtel. Para quem não se lembra, em 1998 45% das ações da Sercomtel foram vendidas para a Copel – no valor de R$ 186 milhões (hoje quase 1 bilhão) – numa articulação entre o ex-prefeito Antônio Belinati e o então governador Jaime Lerner, cuja vice era Emilia Belinati, na época esposa de Antônio Belinati.

Pouco tempo depois o Ministério Público denunciou que parte do dinheiro da venda das ações da empresa foi usado em campanhas eleitorais e, em especial, na reeleição de Lerner ao governo. (mais…)

, , , , , , , , ,

Por quê os negros participam tão pouco da Política Brasileira?

, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O que levou o auditor delator a mudar de ideia?

Até há poucos dias o delator da Operação Publicano, o ex-auditor fiscal Luiz Antonio de Souza, reclamava ao juiz Juliano Nanuncio que nem tudo o que estava escrito no processo teria sido dito por ele. Por isso, exigia que as gravações em video e audio dos depoimentos fossem apresentados para que ele e seu advogado pudessem comparar e comprovar que havia divergências. Chegou a dizer ao juiz que “os investigadores o gravavam indo a padaria, gravavam saindo da padaria, gravavam telefonemas de todo mundo em vários momentos de sua vida”, e questionava porque os depoimentos gravados não podiam ser apresentados pelo MP para a comparação. Reclamou em depoimento, gravado e degravado, que alguns nomes haviam sido “aliviados” na acusação.

Souza teve a delação anulada devido a uma denuncia de que continuava tentando extorquir empresários para não citar o nome deles.

Depois de meses renegociando com a Justiça, ontem foi homologada novamente a delação. Para isso, óbvio, ele se comprometeu a reafirmar tudo o que estava escrito. Mas se havia discordância em relação ao texto e ao que foi dito, o que o levou a mudar de ideia?

Ocorre que há um cheiro estranho no ar. Alguns empresários reclamam que além de terem sido extorquidos estão recebendo a mão pesada da Justiça, enquanto outros personagens influentes, recebem o beneplácito do sistema.

 

, , , , , ,

Operação Publicano: Ex-auditor fiscal entrega mais bens à Justiça e delação é homologada

O juiz da  3ª  Vara Criminal de Londrina,  Juliano Nanuncio, decidiu acatar o pedido da defesa do delator da Operação Publicano, o auditor fiscal Luiz Antônio de souza, e homologou hoje o acordo de delação premiada.

O acordo de delação havia sido desfeito depois que o Ministério Público acusou o auditor de estar chantageando empresários mesmo depois de preso.

 

No novo acordo, Luiz Antonio de Souza é obrigado a entregar outros bens que foram adquiridos através da corrupção. Além de uma fazenda que já fazia parte do acordo anterior, Souza entrega para a Justiça uma sala comercial na Gleba Palhano, outra na Avenida São Paulo, metade de um barracão industrial – todos em Londrina – mais uma casa comercial em Maringá. Também ficam com a justiça os cerca de R$ 350 mil encontrados em contas bancárias dele.

Segundo o advogado Eduardo Duarte Ferreira o acordo ficou um meio termo entre o que a defesa queria e o que o Ministério Público desejava. Desta forma Souza agora passa a ratificar tudo o que disse na fase de investigação.

Traduzindo: casas irão cair.

, , , ,

Alternativa à extorsão do pedágio

Criado no governo de Jaime Lerner há 20 anos, peça de campanha de Roberto Requião, que dizia que iria abaixar ou acabar, o pedágio drena absurdamente o bolso do paranaense.

O pedágio do Paraná é o mais caro do Brasil.

A foto ao lado mostra não uma cena da amazônia ou de algum rincão perdido pelo País, mas a estradinha perto de Jataizinho, usada por muita gente para desviar do pedágio que custa extorsivos R$ 21,00 para carros de passeio.

O motorista prefere arriscar até a danificar o carro do que ver seu dinheiro suado migrando para a conta das concessionárias de pedágio.

 

, , , ,

Kireeff cria site para esclarecer sobre sua gestão

Como tinha certeza que iria levar umas tijoladas no início da atual administração, o ex-prefeito de Londrina Alexandre Kireeff, resolveu fazer uma prestação de contas para a população.

E, como é apaixonado pela internet, colocou no ar o site http://gestaokireeff.com.br/. Nele o ex-prefeito coloca, tintim por tintim o que considera as melhores ações de sua administração.

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Revelações da Operação Quadro Negro complicam a vida de Richa

Do Cícero Cattani

Segundo reportagem publicada no site deCartaCapital, o esquema, afirmam testemunhas, abasteceu a campanha do governador e de seus aliados nas últimas eleições. Agora, os investigadores querem saber como o dinheiro foi movimentado…Depois da partilha, o restante da quantia era enviado ilegalmente para fora do Brasil por meio de um doleiro, ainda não identificado. Sabe-se apenas que o homem de prenome Rui frequentemente levava dólares e euros à sede da construtora. O doleiro levaria as notas amarradas na perna e saía sempre portando uma mala.” (mais…)

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Belinati vai anunciar déficit de R$ 120 milhões

Depois de muitas contas feitas, o prefeito de Londrina, Marcelo Belinati vai anunciar, oficialmente, que a expectativa de déficit para dezembro de 2017, se nada for feito, é de R$ 120 milhões.

Segundo Belinati, não é um valor que pode ser atribuido exclusivamente à administração anterior. “É um valor que vem de várias administrações e se chegou a esse número, seja por circustâncias da economia, erros administrativos, crise e outras variáveis. Por isso, teremos que tomar medidas amargas e impopulares. Mas iremos tomar”, disse o prefeito ao blog.

Entre as medidas está a eliminação de aproximadamente 200 funções de chefia – que acrescentam valores aos salários de funcionários -, redução do número de secretarias e departamentos e contenção do número de cargos comissionados.

, , , , , , , , , , , , , ,

Exclusivo: Deir dos Santos, o homem que mudou a forma de como a Inglaterra sairá da União Europeia, é de Londrina

Deir dos Santos, o brasileiro que ingressou com um processo na Justiça Britânica contra a forma como estava sendo definida a saída da Inglaterra da União Europeia é de Londrina, Paraná.

Deir é cabeleireiro e mora em Londres, na Inglaterra há 13 anos. O londrinense, que tem cidadania inglesa, tem evitado a midia para não se expor muito. Segundo seus advogados, o cabeleireiro tem recebido ameaças de morte.

A ação levou a Justiça a decidir  que cabe ao Parlamento, e não ao governo, dar início ao divórcio entre Reino Unido e União Europeia.

Santos seria, assim, um dos responsáveis por atrasar ou mesmo inviabilizar a saída britânica. A outra parte é a empresária Gina Miller.

Will Amaro, porta-voz de Deir no Brasil, diz que o seu cliente não questiona o referendo realizado mas a forma como a saída da União Europeia estava sendo organizada.

O governo britânico perdeu o recurso interposto na Corte de Apelação pela primeira ministra do Reino Unido, Theresa May.  E hoje a Suprema Corte  decidiu que o Parlamento – e não o governo – deve iniciar o processo para o país sair da União Europeia, o chamado Brexit.

Em junho do ano passado 52% dos britânicos votaram para sair do bloco europeu. Dificilmente o parlamento vai mudar a decisão popular, mas pode atravancar o processo e adiar o prazo exigindo, por exemplo, emendas ao projeto do governo.

, , , , , , , ,